Princícipos

Os princípios da ITCP

AUTOGESTÃO

É um dos pilares da atuação da ITCP. Numa primeira esfera, experimentando estas relações horizontais e não hierárquicas em seus processos deliberativos, criativos e de concepção de trabalho. Numa outra esfera, busca construir uma relação de cooperação e construção coletiva do conhecimento com os grupos, não transformando o conhecimento acadêmico e tecnocrático em um instrumento de hierarquização frente aos grupos populares que apoia e busca cooperar. Por fim, numa terceira esfera, tenta incentivar a autogestão como prática social de organização interna dos grupos, como experiência organizativa e emancipadora.

EDUCAÇÃO POPULAR

A incubação de grupos populares é um processo educativo. Para fundamentar esta prática pedagógica, a ITCP/Unicamp utiliza autores e metodologias que têm uma proposta educativa baseada em teorias que trabalham com os princípios da auto-organização dos educandos, com o princípio da dialogicidade, da decisão coletiva. A Educação Popular é a principal referência para a ação com os grupos associativos e cooperativas. A Educação Popular não deve ser compreendida enquanto um conjunto de atividades e técnicas de ensino/aprendizagem, mas como forma de iniciar a construção coletiva de uma leitura do mundo a partir da realidade dos(as) trabalhadores(as) associados(as) para atuar a partir das cooperativas como o lugar da produção do sustento.

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Uma das concepções possíveis de extensão universitária entende que a academia é um local privilegiado para investigação e produção de conhecimento. Neste sentido, as pesquisas são desenvolvidas prioritariamente no meio acadêmico e as tecnologias delas decorrentes devem ser estendidas à sociedade. A ITCP compreende, por sua vez, que a academia não é o único local legítimo de produção do saber, entendendo que a sociedade não-acadêmica possui maneiras próprias para desenvolvimento e circulação de conhecimentos e tecnologias. Como consequência dessa ideia, considera-se que existem diferentes locais com diferentes formas de construção do saber e, portanto, não se pode falar em transmissão unilateral de conhecimento de um polo ao outro. A ITCP parte do pressuposto de que o diálogo e a comunicação são conceitos mais adequados para designar a interação entre seus diferentes sujeitos (acadêmicos e não-acadêmicos), que terão olhares e considerações sobre seus focos de estudos complementados e ressignificados através desta relação.